Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Estado do Paraná

Imagem
Imagem
Imagem

Greve dos trabalhadores da Diefra paralisa serviços de conservação da BR 277




Cerca de setenta trabalhadores da empresa Diefra cruzaram os braços na manhã desta segunda-feira (01), em protesto contra o corte de vários benefícios previstos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da Construção Pesada do Paraná. 



A Diefra, empresa sediada em Minas Gerais, presta serviços à Concessionária de Rodovias Ecocataratas na BR 277, entre os municípios de Guarapuava e Foz do Iguaçu. 



“A greve acontece porque a Diefra quer cumprir a Convenção Coletiva de outro sindicato, no caso, do Siemaco de Cascavel, que não prevê uma série de benefícios que a CCT da Pesada tem, como café da manhã, vale refeição, PLR, entre outros”, explica Raimundo Ribeiro Santos Filho (Bahia), presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada do Paraná (Sintrapav-PR). 



De acordo com Bahia, o problema surgiu com a mudança da empresa prestadora de serviços à Ecocataratas. “A empresa foi mudada, mas os trabalhadores e os serviços são os mesmos e eles exigem que os direitos que tinham antes sejam preservados. O Sintrapav sempre representou os trabalhadores da manutenção e conservação das rodovias e não é agora que isso vai mudar”, afirmou.



Os trabalhadores fazem piquetes em quatro pontos da BR 277: Cantagalo, Guaraniaçu, Cascavel e São Miguel do Iguaçu. 



Papelão

Durante as mobilizações dos trabalhadores, dirigentes sindicais do Siemaco Cascavel foram transportados em veículos da Diefra para conversar com os grevistas e tentar convencê-los de que devem abrir mão dos seus direitos. O resultado não poderia ser diferente: foram enxotados na base das vaias da peãozada.