Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Estado do Paraná

Imagem
Imagem
Imagem

O governo contra o povo




Desde que assumiu a Presidência da República, em maio do ano passado, através de um contestado processo de impeachment, Michel Temer (PMDB) e sua bancada corrupta de apoio no Congresso Nacional vêm realizando uma série de ataques aos direitos da classe trabalhadora e da população mais carente.



A destruição de direitos começou com a aprovação da lei que permite toda e qualquer forma de terceirização nas empresas, até mesmo para as atividades-fim. Estudos do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócioeconômicos) apontam que o trabalho terceirizado tem as piores condições, com salários mais baixos, maior rotatividade e com índices mais altos de acidentes.



Os ataques continuaram com as propostas de reformas trabalhista e previdenciária. Sem ouvir a sociedade, o governo impõe uma agenda de retrocessos ao país. A trabalhista altera mais de cem artigos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). São mudanças tão profundas que representam o fim da maioria dos direitos dos trabalhadores. Já a previdenciária acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição, que hoje é de 35 anos; estabelece a idade mínima para se aposentar de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres; aumenta em 10 anos o tempo de contribuição mínima; e ainda estabelece 49 anos ininterruptos de trabalho registrado para a concessão do benefício no valor integral.



A sociedade não aprova essa agenda de retrocessos do governo Michel Temer e tem se mobilizado. Uma greve geral no dia 28 de abril paralisou as principais cidades do país e contou com a participação de mais de 40 milhões de trabalhadores. Outra contundente ação foi a marcha a Brasília do dia 24 de maio, que registrou a presença de aproximadamente 200 mil trabalhadores de todo o país contrários às reformas.



As manifestações do povo, somadas ao flagrante de corrupção do ilegítimo presidente com empresários do frigorífico JBS, jogam Temer nas cordas. Seu governo está por um fio e se a pressão continuar ele será deposto do cargo que jamais deveria ter ocupado.